Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular

Ablação e quimioembolização dos tumores hepáticos. Como funciona?


Dividido em duas categorias, o câncer de fígado recebe a nomenclatura de “primário do fígado” ou “secundário/metastático”, de acordo com as características e a evolução da doença. No primeiro caso (primário do fígado), os tumores são originados no próprio órgão. Seus tipos mais comuns são: hepatocarcinoma ou carcinoma hepatocelular - tumor maligno primário mais frequente e que ocorre em mais de 90% dos casos; colangiocarcinoma, que acomete os ductos biliares dentro do fígado, e angiossarcoma, que é o tumor do vaso sanguíneo. Nas crianças há incidência aumentada de um tumor chamado hepatoblastoma. Já o “secundário ou metastático” é assim classificado quando é originado em outro órgão, mas em seguida, atinge também o fígado. 

O câncer de fígado geralmente começa como um nódulo isolado ou como nódulos múltiplos no interior do órgão. Nas fases iniciais, o crescimento costuma ser lento e assintomático, de modo que, quando o diagnóstico é feito, a doença já se encontra em estágio avançado, comprometendo áreas extensas.

Por essa razão, é estimado que somente 20% a 30% dos pacientes com hepatocarcinoma apresentam tumor ainda restrito ao fígado e com chances reais de cura no momento do diagnóstico. Os demais já chegam com grandes dimensões, com os linfonodos próximos ao órgão invadidos ou com metástases à distância, principalmente nos pulmões, pleuras, peritônio e ossos.
 
Tratamentos utilizando quimioembolização e ablação
 
Antes de falar sobre a quimioembolização, vamos brevemente explicar o que é e como a embolização funciona. Assim, fica mais simples entender o processo. Vamos lá? 

Embolização
Trata-se da injeção de substâncias no intuito de tentar bloquear ou diminuir o fluxo de sangue, nesse caso, para as células cancerígenas no fígado. Representa uma boa opção para pacientes cujos tumores não podem ser removidos cirurgicamente ou através de transplante hepático. Ela pode ser usada para tumores grandes (geralmente maiores do que 5 cm de diâmetro) que não podem ser tratados por ablação.

A embolização reduz parcialmente o abastecimento de sangue para o tecido hepático normal, por isso a realização em pacientes cujo fígado está afetado por doenças, como hepatite ou cirrose, deve ser feita com cautela e, SEMPRE, pelo Radiologista Intervencionista, o especialista médico mais bem preparado para a situação.

Quimioembolização Hepática 
A quimioembolização hepática é uma técnica minimamente invasiva, indicada para o tratamento dos tumores do fígado, tanto primários quanto secundários. Pode ser realizada concomitantemente com a quimioterapia sistêmica ou em conjunto com o tratamento cirúrgico, beneficiando um grande grupo de pacientes.

O procedimento consiste em introduzir através da artéria da perna ou do braço, por meio de uma punção do vaso, um cateter, que é conduzido por dentro das artérias, até alcançar os vasos do fígado. Chegando a esse órgão, o contraste é injetado por meio do cateter.  E, ao visualizar o raio-x, é possível identificar os vasos que nutrem o tumor (arteriografia hepática). 

Após essa identificação, um microcateter (cateter de diâmetro bem menor) é passado por dentro do cateter, para navegar dentro de vasos sanguíneos ainda menores, alcançando assim a proximidade do tumor. Quando o microcateter está posicionado dentro dos vasos tumorais são injetadas micropartículas carregadas de quimioterápico.

As micropartículas têm duas finalidades, sendo que a primeira é levar ao tumor uma alta concentração de quimioterápico, fazendo com que o remédio atue diretamente no tumor, por um período prolongado. A segunda finalidade é fechar os vasos sanguíneos que nutrem o tumor (embolização), não permitindo que o sangue leve nutriente e oxigênio para as células tumorais.

A alta tecnologia deste procedimento faz com que o tumor diminua de tamanho, com muito menos efeitos colaterais sistêmicos do quimioterápico (como a queda do cabelo), pois o tratamento é local, propiciando ao paciente menor tempo de internação e melhor qualidade de vida.

Ablação Hepática
Por meio desse procedimento, é possível destruir os tumores hepáticos sem removê-los. Essa técnica é utilizada principalmente em pacientes com tumores pequenos, sem indicação de cirurgia (por outros problemas de saúde ou por alterações na função hepática), mas os estudos estão mostrando equivalência com os resultados cirúrgicos em mãos bem treinadas, e as indicações estão aumentando a cada dia. Em alguns casos, esse tratamento é levado à frente para tratar a doença em pacientes que estão aguardando transplante hepático, como também acontece com a quimioembolização.

A ablação é mais utilizada para tumores de até 3 cm de diâmetro. Para tumores maiores (3 a 5 cm de diâmetro) pode ser utilizada junto com a embolização. 

Uma das vantagens é que a ablação reduz em muito a necessidade de internação hospitalar. A maioria dos pacientes faz o procedimento e pode receber alta no mesmo dia! A técnica é feita a partir de uma punção do tumor, por meio de uma agulha introduzida através da parede abdominal, guiada por ultrassonografia ou tomografia. 

Na ablação por radiofrequência, o tumor recebe ondas que provocam aumento da temperatura em seu interior. Outra técnica de ablação, conhecida como micro-ondas, também gera calor e queima o tumor. Existem também a crioablação, que utiliza o frio para tratamento, congelando o tumor. 

Todas estas técnicas conseguem levar à cura, quando adequadamente indicadas e realizadas. O Radiologista Intervencionista também é o especialista para discutir cada caso, definir se a ablação é uma opção de tratamento e é o mais indicado para realização deste procedimento!

Posts Relacionados

ABLAÇÃO DE OSTEOMA OSTEÓIDE ENTRA NO ROL DA ANS EM 2018

ABLAÇÃO DE OSTEOMA OSTEÓIDE É UM DOS 18 CÓDIGOS QUE SERÃO INCORPORADOS AO ROL DA ANS EM 2018.

A INCONGRUÊNCIA DA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA E O SUS

"O SUS esta´ completando 30 anos e precisa ser novamente avaliado e talvez repensado"

SITE DO MV SOFTWARE E CONSULTORIA EM GESTÃO DA SAÚDE PUBLICA MATÉRIA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA

Saiba mais sobre os benefícios da Radiologia Intervencionista na gestão da saúde.

Veja o que estão falando

0 Comentário(s)

Deixe um Comentário