Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular

trombectomia endovascular


 

O que é uma trombectomia endovascular?

Uma trombectomia endovascular é a remoção de um trombo (coágulo), sob orientação de imagem. Uma trombectomia é mais comumente realizada em casos de embolia arterial, que é uma obstrução arterial muitas vezes causada pela fibrilação atrial, uma perturbação do ritmo cardíaco. Uma embolia arterial provoca isquemia de membros aguda (fornecimento de sangue restrito), que leva a dor na zona afetada. Uma trombectomia também pode ser utilizada para tratar condições em seus órgãos, como no fígado e no rim.
O seu médico pode recomendar que você faça uma trombectomia como um tratamento de acidente vascular cerebral ou isquemia mesentérica, em que o fluxo de sangue em seu intestino delgado é restrito devido à inflamação ou lesão.
 

Como o processo funciona?

O radiologista intervencionista insere um tubo de plástico de 3 mm (chamado bainha) na sua virilha e vai orientar a bainha até o coágulo.
Há uma série de técnicas diferentes para este procedimento. O coágulo pode ser removido usando um vácuo para aspirar o trombo para fora da luz do vaso, ou com dispositivos mecânicos para quebrar o coágulo, utilizando jatos de soro ou de ondas de ultrassom.
Os dispositivos para estas técnicas são inseridos através da bainha no interior da artéria afetada. Também pode ser necessário fazer trombólise por cateter adicional, um processo em que a medicação de dissolução do coágulo é entregue no interior dele, guiada por imagem.
Um tratamento combinado usando trombectomia e trombólise pode continuar por mais de 24-48 horas com vários acompanhamentos, usando angiografia em intervalos regulares.
 

Por que fazer isso?

Uma trombectomia intervencionista é usada para remover o coágulo e para evitar um bloqueio permanente na veia ou artéria que iria impedir o fluxo de sangue para um membro ou órgão, causando sintomas agudos de dor, falta de pulso, palidez, parestesia (quando uma região 'adormece') e paralisia, bem como a possibilidade de complicações permanentes, tais como a morte de células e tecidos em seu corpo.
Um trombectomia é muitas vezes combinada com outros tratamentos, como tratamento para parar a formação de coágulos ou trombólise, o que envolve o uso de medicação para quebrar o coágulo em pequenos fragmentos e deve ser seguido por observação rigorosa durante 24-48 horas.
Também deve ser usada para a doença subjacente que causou o trombo arterial, tal como um distúrbio do ritmo cardíaco ou um pequeno coágulo causado por trombose venosa profunda.
 

Quais são os riscos?

Riscos menores incluem hematomas no local da punção ou no membro afetado. Os principais riscos incluem o coágulo viajar mais profundamente na artéria ou veia e causar uma lesão na área afetada durante o tratamento.
Em casos raros, os pacientes experimentam hemorragias no crânio, como resultado da trombectomia e trombólise combinadas. Se isso ocorrer, o tratamento tem de ser parado imediatamente.

Condições clínicas relacionadas

CÂNCER DE FÍGADO

Sistema: Digestório

MIOMA UTERINO

Sistema: Genito-urinário

TROMBOSE VENOSA PROFUNDA (TVP)

Sistema: Circulatório